Harmonização Facial: para além da estética, é uma questão de autoestima

Divulgação

Dr. Renato Maggio explica casos de pacientes que mudaram até forma de se relacionar com os outros após a harmonização facial.

Se você fechar os olhos e pensar na palavra “autoestima” qual a primeira imagem que vem à sua mente? Eu não te conheço, mas tem uma grande probabilidade de você ter pensado algo relacionado à aparência física. Talvez você tenha se imaginado bonita e confiante, na sua melhor versão. É difícil desassociar autoestima de imagem pessoal, e isso tem explicação.

Na psicologia, o termo autoestima é usado para descrever o senso subjetivo geral de valor ou valor pessoal de uma pessoa. Em outras palavras, a autoestima pode ser definida como o quanto você se aprecia e gosta de si mesmo, independentemente das circunstâncias. Se sentir feliz e confiante na sua própria pele, a sensação de pertencer e gostar da sua identidade é um forte indicativo de uma autoestima equilibrada.

Uma grande quantidade de pesquisas psicossociais sugere que a aparência física influencia não só qualidade de vida, autoestima e imagem corporal, mas também nos relacionamentos interpessoais e até mesmo oportunidades de emprego. 

Por isso a busca pela beleza nunca esteve tão presente culturalmente como hoje. A procura por tratamentos estéticos aumentou 50% durante a pandemia, segundo uma pesquisa realizada pela Allergan, com apoio da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) e da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP).

Dentre os procedimentos estéticos mais procurados está a Harmonização facial. Eu duvido que você nunca tenha ouvido falar, mas caso você viveu em uma caverna pelos últimos cinco anos: Harmonização Facial é um tratamento que se utiliza de uma combinação de técnicas de preenchimento para proporcionar mais equilíbrio entre o volume, a forma e a angulação de todas as partes do rosto, promovendo rejuvenescimento.

Todos os dias o Dr. Renato Maggio, especialista em harmonização facial recebe em seu consultório homens e mulheres em busca de um boost na autoestima. Uma de suas pacientes é a empresária Paula Garcia, que relatou insegurança com o nariz em entrevista para o canal no Youtube do Dr. Renato: “Já tinha feito rinoplastia, o resultado ficou legal, mas não era ainda o que eu queria, o que eu esperava, então nas fotos eu tentava achar o ângulo melhor pro meu nariz. Achava que todo mundo ‘tava’ vendo aquele defeitinho que eu via. Então a gente acaba se escondendo um pouco, mesmo que inconscientemente para evitar que as pessoas notem aquilo que incomoda a gente.”

Dr. Renato Maggio
Divulgação

Após a harmonização, Paula conta como o procedimento melhorou sua imagem no trabalho e a maneira que se expressa nas redes sociais: “A parte de um pouco de insegurança que eu tinha pra vídeo e fotos pra loja, hoje não tenho mais, então é uma preocupação a menos, só fazer uma maquiagem levinha e bora fazer tirar essas fotos aí, vamos arrasar! Sensacional! Me sinto tipo, outra pessoa.”

Tendo em mente que a autoestima está diretamente atrelada com a personalidade de cada pessoa, o Dr. Renato destaca a importância de um atendimento personalizado, respeitando a individualidade de cada paciente:

“Eu acho que pra analisar o rosto de uma pessoa você precisa primeiramente conhecer as questões técnicas, e além de tudo saber o que funciona para cada tipo de rosto. Eu não gosto de fazer nada padronizado, eu gosto de fazer uma avaliação técnica minuciosa para poder trazer a naturalidade que é a marca do meu trabalho e trazer a beleza que aquela paciente já tem”

A auto-estima afeta seu processo de tomada de decisão, seus relacionamentos, sua saúde emocional e seu bem-estar geral. Também influencia a motivação, pois as pessoas com uma visão saudável e positiva de si mesmas compreendem seu potencial e podem se sentir inspiradas a assumir novos desafios.

Como é o caso da paciente Dona Candida que relata uma mudança significativa nas interações sociais após o procedimento:

“A partir do momento que a gente vai avançando na idade, pra algumas não é tão marcante, mas pra mim foi. Tive uma flacidez muito forte e eu estava ficando assim… mal na autoestima (…) Agora eu me sinto confiante de estar com alguém e falar com alguém. Porque antes quando eu ia falar com alguém, sabe quando a gente fala assim, e nossa. Dá vontade de ficar puxando (o rosto) assim do lado. (…) Eu me sinto bem melhor, bem mais autêntica.”

O Dr Renato conta que Dona Candida mesmo estando com a cabeça boa apresentava sinais de autoestima baixa, e através da harmonização ficou uma mulher mais empoderada, que se ama mais e sorri mais pra vida: “Foi um caso bem especial pra mim, porque eu pude devolver aquele sorriso. Que hoje ela é uma pessoa que sorri a todo momento. E foi muito gratificante poder devolver essa estética e dar essa autoestima pra ela de volta”.